Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Quarta-feira, 23 de abril de 2014
   
 
12.966.882 acessos desde Março de 2002

 
   
 
Doenças
AIDS
AMEBÍASE
ANCILOSTOMÍASE
ASCARIDÍASE
BOTULISMO
BRUCELOSE
CANCRO MOLE
CANDIDÍASE
COCCIDIOIDOMICOSE
COQUELUCHE
CRIPTOCOCOSE
CRIPTOSPORIDÍASE
CÓLERA
DENGUE
DIFTERIA
DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE LYME
DOENÇA MENINGOCÓCICA
DOENÇAS DIARRÉICAS AGUDAS
DONOVANOSE
ENTEROBÍASE
ESCABIOSE
ESQUISTOSSOMOSE
ESTRONGILOIDÍASE
FEBRE AMARELA
FEBRE MACULOSA BRASILEIRA
FEBRE PURPÚRICA BRASILEIRA(FPB
FEBRE TIFÓIDE
FEBRES HEMORRÁGICAS PELO VÍRUS EBOLA
FILARÍASE POR WUCHERERIA BANCROFTI
GIARDÍASE
GONORRÉIA
HANSENÍASE
HANTAVIROSES
HEPATITE A
HEPATITE B
HEPATITE C
HEPATITE D
HEPATITE E
HERPES SIMPLES
HISTOPLASMOSE
INFECÇÃO PELO PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV)
LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA (LTA)
LEISHMANIOSE VISCERAL
LEPTOSPIROSE
LINFOGRANULOMA VENÉREO
MALÁRIA
MENINGITE POR HAEMOPHILUS INFLUENZAE
MENINGITE TUBERCULOSA
MENINGITES VIRAIS
MONONUCLEOSE INFECCIOSA
ONCOCERCOSE
PARACOCCIDIOIDOMICOSE
PAROTIDITE INFECCIOSA
PESTE
POLIOMIELITE
PSITACOSE
RAIVA
RUBÉOLA
SARAMPO
SHIGELOSE
SÍFILIS / SÍFILIS CONGÊNITA
SÍNDROME DA RUBÉOLA CONGÊNITA
TENÍASE / CISTICERCOSE
TOXOPLASMOSE
TRACOMA
TUBERCULOSE
TÉTANO ACIDENTAL
TÉTANO NEONATAL
VARICELA / HERPES ZOSTER
 
Informações sobre DOENÇAS DIARRÉICAS AGUDAS Tire suas dúvidas
  • Aspectos Clínicos  e  Epidemiológicos
    Descrição - Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus eparasitas), cuja manifestação predominante é o aumento do número de evacuações,com fezes aquosas ou de pouca consistência. Com freqüência, é acompanhada devômito, febre e dor abdominal. Em alguns casos, há presença de muco e sangue.No geral, é auto-limitada, com duração entre 2 e 14 dias. As formas variam desdeleves até graves, com desidratação e distúrbios eletrolíticos, principalmente quandoassociadas à desnutrição prévia. Dependendo do agente, as manifestações podemser decorrentes de mecanismo secretório provocado por toxinas, ou pela colonizaçãoe multiplicação do agente na parede intestinal, levando à lesão epitelial e, atémesmo, à bacteremia ou septicemia. Alguns agentes podem produzir toxinas e, aomesmo tempo, invasão e ulceração do epitélio. Os vírus produzem diarréia auto-limitada, só havendo complicações quando o estado nutricional estácomprometido. Os parasitas podem ser encontrados isolados ou associados(poliparasitismo) e a manifestação diarréica pode ser aguda, intermitente ou nãoocorrer.Agentes etiológicos - a) Bactérias - Stafilococus aureus, Campylobacter jejuni,Escherichia coli enterotoxigênica, Escherichia coli enteropatogênica, Escherichiacoli enteroinvasiva, Escherichia coli enterohemorrágica, Salmonelas, Shigelladesinteriae, Yersínia enterocolítica, Vibrio cholerae. b) Vírus - Astrovírus, Calicivírus,Adenovírus entérico, Norwalk, Rotavírus grupos A, B e C. Parasitas - Entamoebahistolytica, Cryptosporidium, Balatidium coli, Giardia lamblia, Isospora bell.Reservatório, modo de transmissão, período de incubação, etransmissibilidade - Específicos para cada agente etiológico.Complicações - Em geral, são decorrentes da desidratação e do desequilíbrioeletrolítico. Quando não são tratadas adequada e precocemente, podem levar aoóbito. Nos casos crônicos ou com episódios repetidos, acarretam desnutrição crônica,com retardo do desenvolvimento estato-ponderal.Diagnóstico - Em geral, clínico. Quando necessários, são feitos examesparasitológicos de fezes e culturas de vírus e bactérias.Diagnóstico diferencial - Em geral, só pode ser feito entre os agentes causadoresdas diarréias através dos exames específicos. Quando ocorrem vários casosassociados entre si (surtos), para o diagnóstico etiológico de um ou mais casos, ouda fonte de infecção, utiliza-se também o critério clínico-epidemiológico.Tratamento - A terapêutica indicada é a hidratação oral, através do sal dereidratação oral (SRO), que simplificou o tratamento e vem contribuindosignificativamente para a diminuição da mortalidade por diarréias. O esquemade tratamento independe do diagnóstico etiológico, já que o objetivo da terapêuticaé reidratar ou evitar a desidratação. O esquema terapêutico não é rígido, administrando-se líquidos e o SRO de acordo com as perdas. Se houver sinais de desidratação,administrar soro de reidratação oral, de acordo com a sede. Inicialmente, a criança deaté 12 meses deve receber de 50 a 100ml e 100 a 200 ml para aquelas acima de 12 meses. Após a avaliação recomenda-se o aumento da ingestão de líquidos como sorocaseiro, sopas, cozimentos e sucos; manter a alimentação habitual, em especial o leitematerno e corrigir eventuais erros alimentares. Persistindo os sinais de desidratação; seo paciente vomitar, deve-se reduzir o volume e aumentar a freqüência da administração;manter a criança na unidade de saúde até a reidratação; o uso de sonda nasogástrica-SNG é indicado apenas em casos de perda de peso após as 2 primeiras horas detratamento oral, de vômitos persistentes, de distensão abdominal com ruídos hidro-aéreos presentes ou de dificuldade de ingestão. Nesses casos, administrar 20 a 30ml/kg/hora de SRO. Só indica-se hidratação parenteral, quando houver: alteração daconsciência; vômitos persistentes, mesmo com uso de sonda nasogástrica; a criançanão ganha ou perde peso com a hidratação por SNG e íleo paralítico. Osantimicrobianos devem ser utilizados apenas na disenteria e nos casos graves de cólera(vide capítulo específico). Quando há identificação de trofozoítos de G. lamblia ou E.hystolitica, é recomendado o Metronidazol, 15 e 30mg/kg/dia, respectivamente, divididoem 3 doses, por 5 dias.Características epidemiológicas - Importante causa de morbi-mortalidadeno Brasil e em países subdesenvolvidos. Tem incidência elevada e os episódios sãofreqüentes na infância, particularmente em áreas com precárias condições desaneamento básico. O SRO diminue a letalidade por essas doenças, mas a morbidadeainda é importante causa de desnutrição e de retardo de crescimento.

  • Vigilância  Epidemiológica
    Objetivos - Monitorar a incidência das diarréias visando atuar em situações desurtos; e manter contínuas atividades de educação em saúde com o propósito dediminuir sua incidência e letalidade.Notificação - Não é doença de notificação compulsória em virtude da suaelevada freqüência. A vigilância é feita pela monitorização das doenças diarréicasagudas que consiste no registro de dados mínimos dos doentes (residência, idade,plano terapêutico) em unidades de saúde.Definição de caso - Indivíduo que apresentar fezes cuja consistência reveleaumento do conteúdo líquido (pastosas, aquosas), com maior número de dejeçõesdiárias e duração inferior a 2 semanas.Medidas de controle - Melhoria da qualidade da água, destino adequado de lixoe dejetos, controle de vetores, higiene pessoal e alimentar. Educação em saúde,particularmente, em áreas de elevada incidência. Locais de uso coletivo, tais comocolégios, creches, hospitais, penitenciárias, que podem apresentar riscos maximizadosquando as condições sanitárias não são adequadas, devem ser alvo de orientações ecampanhas específicas. Ocorrências em crianças de creches devem ser seguidas deprecauções entéricas, além de reforçadas as orientações às manipuladoras e às mães.Considerando a importância das causas alimentares nas diarréias das criançaspequenas, é fundamental o incentivo à prorrogação do tempo de aleitamento materno,comprovadamente uma prática que confere elevada proteção a esse grupopopulacional.

 
     
     
 
  contato@portaldeginecologia.com.br  
 
 
Quem somos
Política de Privacidade
O Profissional
Publicações Informações
Doenças
Perguntas frequentes
CID10 Download
Ferramentas
Ciclo Menstrual
Gestação
Gravidez Programada
Cálculo de IMC (peso)
Multimídia
Galeria de Imagens
Galeria de Vídeos
Contato


 
  Desenvolvido por SS Digital
Resolução mínima recomendada: 1024x768 pixels
O conteúdo deste Portal é para informações, somente seu médico é quem pode prescrever ou decidir condutas médicas.