Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Terça-feira, 02 de setembro de 2014
   
 
13.153.381 acessos desde Março de 2002

 
   
 
TERMINOLOGIA COLPOSCÓPICA


TERMINOLOGIA COLPOSCÓPICA
.
Nossos agradecimentos a Dra. Maria de Fátima Silveira da Cunha Araújo

Presidente da SBPTGIC- PB pela valiosa colaboração.
Recomendações da Federação Internacional de Patologia Cervical e Colposcopia.

Uma terminologia deve descrever de um modo reprodutível todos os aspectos que um observador pode detectar. Ela deve padronizar e definir conceitos e ser um modo eficaz de comunicação entre os que a praticam de maneira a permitir empreender pesquisas, guiar o aprendizado e auxiliar na decisão diagnóstica e terapêutica.
O Comitê de Nomenclatura e a Federação Internacional de Patologia Cervical e Cosposcopia aprovou no 11° Congresso Mundial em Barcelona em 2002 uma terminologia colposcópica revisada recomendando que este formato atualizado seja usado imediatamente para diagnóstico clínico, tratamento e pesquisa em câncer cervical.
Federação Internacional de Patologia Cervical e Colposcopia
Classificação Colposcópica.



I. Achados Colposcópicos Normais
Epitélio Escamoso Original
Epitélio Colunar
Zona de Transformação.

II. Achado Colposcópicos Anormais

Epitélio Acetobranco plano
Epitélio Acetobranco denso
Mosaico fino
Pontilhado fino
Pontilhado grosseiro
Epitélio Iodo Positivo Parcial
Epitélio Iodo Negativo
Vasos Atípicos

III. Alterações Colposcópicas Sugestivas de Câncer Invasivo

IV. Colposcopia Insatisfatória

Junção Escamocolunar não visível
Inflamação severa atrofia severo trauma.
Cervix não visível.

V. Miscelânia

Condiloma
Queratose
Erosão
Inflamação
Atrofia
Deciduose
Pólipo.

ACHADOS COLPOSCÓPICOS NORMAIS

  • Epitélio Escamoso Original.

Epitélio escamoso original é um epitélio liso , onde não existe remanecentes de epitélio glandulares ou cistos de Naboth.
O epitélio não se torna esbranquiçado após a aplicação de uma solução de acido acético, e cora em marrom após a aplicação do Lugol

Epitélio Colunar.

Epitélio colunar é um epitelio de camada única do tipo muco-secretor que se localiza entre o epitélio escamoso original ou o epitélio escamoso metaplásico caudal.Após a aplicação de acido acético tem aparência de cacho de uva.
O epitélio colunar normalmente esta presente na ectocervix (ectopia) ou em raras ocasiões na vagina.

Zona de Transformação.

A zona de transformação é a área entre o epitélio escamoso original e o epitélio colunar onde podem ser identificados diversos estágios de maturidade.
O epitelio metaplasico pode adquirir coloração esbranquiçada após a aplicação de acido acético e parcialmente marrom após a aplicação de lugol.
Dentre os componentes de uma zona de transformação Normal podem-se encontrar ilhas de epitélio colunar cercadas por epitélio escamoso metaplásico, orifícios glandulares e cistos de Naboth.

Existem três tipos de zonas de transformação.

Tipo 1 a zona de transformação é completamente Ectocervical e completamente visível e pode ser grande ou pequena
Tipo 2 a zona de transformação tem um componente Endocervical, totalmente visível podendo o componente endocervical ser grande ou pequeno.
Tipo 3 a zona de transformação tem um componente endocervical que não é totalmente visível e podendo ter um componente ectocervical que pode ser pequeno ou grande.
Em um percentagem pequena de mulheres a zona de transformação pode estender-se caudalmente para a parte superior da vagina usualmente como um triangulo anterior e posteriormente como uma lingüeta. Pode conter vascularização que apresenta um padrão mosaciforme fino e regular podendo corar irregularmente, parcialmente ou ficar completamente negativa depois da aplicação do iodo.

II. ACHADOS COLPOSCÓPICOS ANORMAIS

Epitelio Acetobranco.

É o epitelio que se torna esbranquiçado após a aplicação da solução de acido acético, pela alta densidade nuclear que apresenta.
Embora isto possa ocorrer em casos de metaplasia imatura, geralmente quanto mais denso é o acetobranqueamento, tanto mais rápida a alteração acontece e quanto maior o tempo de duração mais severa é a lesão pode ser.
Acetobranqueamento denso no epitelio colunar pode indicar doença glandular

Pontilhado.

Aspecto colposcopico focal, no qual os capilares aparecem em um padrão pontilhado.
Quanto mais fino e regular é a aparência do pontilhado e com distancia intercapilar pequena é mais provável que a lesão seja de baixo grau ou metaplasia.
Quanto mais grosseiro for o pontilhado é mais provável que a lesão seja de alto grau.

Mosaico.

Alteração Colposcópicas aparentemente focal no qual a neoformação vascular tem um padrão retangular como um mosaico.
Quanto mais fino e regular é o mosaico é mais provável que a lesão seja de baixo grau ou metaplasia.
Quanto mais grosseiro for o mosaico e quanto maior a distancia intercapilar é mais provável que a lesão seja de alto grau.

Epitelio Iodo parcialmente positivo/Epitelio Iodo negativo.

Depois da aplicação da solução de iodo o epitelio maduro que contem glicogênio ficara uma cor marron escuro. Áreas iodo negativas podem representar metaplasia imatura neoplasia intraepitelial cervical ou baixa taxa de estrogênio(ie. Atrofia).
Uma aparência de salpicado marrom-iodo malhado em uma área com alteração acetobranca leve pode representar metaplasia imatura ou neoplasia intraepitelial de baixo grau.
Completa negatividade ao iodo uma coloração amarelo mostarda em uma área acetobranca é altamente sugestiva de neoplasia intraepitelial de alto grau.

Vasos atípicos.

Aspecto colposcopico focal anormal no qual o padrão vascular se apresenta com vasos irregulares com um curdo interrompido abruptamente e com aparência de virgulas, vaso capilares espiralados, grampos ou com formas variadas.

ALTERAÇÕES COLPOSCOPICAS SUGESTIVAS DE CANCER INVASIVO

A presença de uma superfície irregular como cadeia de montanhas em áreas de acetobranqueamento denso e alterações vasculares extremamente bizarras falam a favor de invasão tecidual. Estas lesões geralmente são sobrelevadas sendo o sangramento de contato freqüente.

IV. COLPOSCOPIA INSATISFATORIA.

O Exame colposcopico é considerado insatisfatório quando a Junção Escamocolunar não pode ser visualizada. Isto também pode ocorrer se houver trauma associado, inflamação, ou atrofia que impeçam uma avaliação colposcopica completa ou quando a cervix não é visível.

V. MISCELANEA.

Condiloma.

Pode ocorrer dentro ou fora da zona de transformação é indica infecção pelo Papilomavirus Humano.
A colposcopia mostra um grupamento de pequenas papilas de base única, nas quais o epitelio superficial recobre alças vasculares.
A aplicação de acido acético produz acetobranqueamento e ao iodo se cora parcialmente ou irregularmente.

Queratose.

Alteração colposcopica focal no qual a hiperqueratose esta presente e se parece com uma placa branca elevada.
A alteração branca esta presente antes da aplicação de acido acético e pode impedir a visualização adequada da zona de transformação subjacente, antes era chamada de Leucoplasia.

Erosão.

Uma verdadeira erosão representa uma área de epitelio desnudo. Pode ser causado por traumas e pode indicar que o epitelio de superfície. É possivelmente anormal

Inflamação.

Alteração geralmente difusa caracterizada por congestão vascular e edema de mucosa. Podem ser pontilha do diferenciando-se por apresentar
capilares finos e muito próximos entre si num colo avermelhado. Geralmente cora-se parcialmente ao iodo.

Atrofia.

Alteração epitelial devido a um baixo estado de estrogênio, representada por uma mucosa pouco espessa que deixa transparecer uma fina rede vascular.
As petequias são freqüentes e cora-se muito pouco ao lugol.

Deciduose.

Fenômeno conjuntivovascular e edema estromal induzudio pela gestação.

Pólipos.

Podem apresentar características de epitelio colunar e /ou zona de transformação dependendo da metaplasia que possa ocorrer em sua superfície.

CARACTERISTICAS COLPOSCOPICAS SUGESTIVAS DE ALTERAÇÕES METAPLASICAS.

    • superficie lisas com vasos de calibre uniforme
    • Alterações acetobrancas moderadas
    • Iodo negativo ou parcialmente positivo.

CARACTERISTICAS COLPOSCOPICAS SUGESTIVAS DE ALTERAÇÕES DE BAIXO GRAU(ALTERAÇOES MENORES).

(A)superficie lisa com um borda externa irregular
(B) alterações acetobrancas leve, que aparece tardiamente e desaparece rapidamente.
(C) Iodo negativamente moderada frequentemente iodo malhado com positividade parcial
(D) pontilhado fino e mosaico regular.

CARACTERISTICAS COLPOSCOPICAS SUGESTIVAS DE ALTERAÇÕES DE ALTO GRAU (ALTERAÇÕES MAIORES).

  • Superficie geralmente lisa com borda externa aguda e bem marcada
  • Alteração acetobranca que aparece precocemente e desaparece lentamente podendo apresentar um branco nacarado que lembra o de ostra.
  • Negatividade ao iodo coloração amarelo-mostarda em epitelio densamente branco previamente existente
  • Pontilhado grosseiro e mosaico de campos irregulares e de tamanhos discrepantes.
  • Acetobranqueamento denso no epitelio colunar pode indicar doença glandular.

CARACTERISTICAS COLPOSCOPICAS SUGESTIVAS DE CANCER INVASIVO.

  • Superficie irregular erosão ou ulceração
  • Acetobranqueamento denso
  • Pontilhado irregular extenso e mosaico grosseiro
  • Vasos atipicos.

Comitê de Nomenclatura da Federação Internacional de Patologia Cervical e Colposcopia.

P. Walker, MD, S Dexeus, MD
G. de Palo MD, R Barrasso MD
M CAMPION MD< F GIRARDI MD
C JAKOB, MD AND M ROY MD

REFERENCIAS.

1-Walker P, Dexeus S de Palo G Barrasso R Campion M Girardi F; Jakob C Roy M
Internacional Terminioly of Colposcopy An Update Reporty from the international Federation foe Cervical Pathology and Colposcopy Obstetr Ginecol; 101(1) 175-7 2003
2-Hinselmamm H Verbesserung der Inspktionsmoglichkeit vom vulva,vagina,und portio. Munch Med Wochenschr 77:1733 1925
3-Stafi A New nomenclature for colposcopy Report of the Committee on Terminology Obstet ginecol 48 123-4 1976
4 Stafi A Wilbanks GD An Intertnational Terminology of Colposcopy Report of the MNomenclature Committee of the Patology e Colposcopy Obtetr Ginecolo 77.313 4-1991
5- Ferris D G; Greenberg M D Reid”s Colposcopic Index : J Farm Prat 39(1) 65-70 1994
6-Reid R Scalzi P Genital warts and cervical cancer VII and improved colposcopi index for differentiating benign papilomaviral infections from high-grade cervical intraepithelial neoplasia: Am J obstet Ginecolo 153(6) 611 8 1985.

Manual de Procedimentos Operacional Padrão
Nomenclatura de Citologia.

COLORAÇAO PAPANICOLAU SISTEMA BETHESDA (TBS) 2001

LOCAL DE COLETA

Endocervice
F S V posterior
Exocervice

AVALIAÇÃO DA AMOSTRA

Satisfatória para avaliação JEC Representada JEC Não Representada
Insatisfatória para avaliação
Espécime rejeitado

INTERPRETAÇAO DO RESULTADO
NEGATIVO PARA LESÃO INTRAEPITELIAL OU MALIGNIDADE

1- Organismos.

Tricomonas Vaginalis
Organismos fungicos morfologicamente compatíveis com Cândida ssp.
Mudança de flora sugestivo de vaginose bacteriana
Bactérias morfologicamente compatíveis Actnomyces ssp.
Alterações celulares associadas com o vírus do Herpes Simples.
Outros Organismos

2- OUTROS ACHADOS NÃO NEOPLASICOS:

ALTERAÇÕES CELULARES REATIVAS ASSOCIADAS COM:

Inflamação em:
Cel Escamosas Cel Metaplasicas Cel Glandular Reparo
Radiação
Uso de DIU
Outras Alterações Reativas

STATUS GLANDULAR POS HISTERECTOMIA

ATROFIA
OUTROS -Presença de Células Endometriais pos menopausa.
ANORMALIDADES EM CELULAS EPITELIAIS

Escamosas.

Células Escamosas atípicas De significado indeterminado(ASCUS) Não exclui alto grau(ASCH)
Lesão intraepitelial de baixo grau(HPV NIC I displasia leve).
Lesão epitelial de alto grau (NIC II e NIC III displasia moderada e acentuada, Ca in situ)
Com suspeita de invasão
Carcinoma de Células escamosas Ceratinizado
Não ceratinizado

Células Glandulares
Atipias glandulares
Endometrial Endocervical Favorecendo Neoplasia.
Adenocarcinoma endocervical in situ (AIS)
Endocervical
Endometrial
Extrauterino.
Inespecifico.

OUTRAS NEOPLASIAS MALIGNAS
CONCLUSÃO

 
Informações
Enquete

Você se auto medica quando apresenta algum problema ginecológico?




Sim    0%
Sim    33%
Não    67%

Ferramentas
Multimídia

Donos do Amanhã
Ajudamos às crianças portadoras de Câncer tratadas em João Pessoa-PB
Contribua:
Unicred
CC 5282-5
Ag. 2201
Banco do Brasil
CC 20.000-x
Ag. 3396-0

Hospital do Câncer Napoleão Laureano
Diagnóstico e tratamento de Câncer
João Pessoa-PB
Ligue: 0800 2816162
Contribua:
Banco do Brasil
CC 9784-5
Ag. 0011-6
 
     
     
 
  contato@portaldeginecologia.com.br  
 
 
Quem somos
Política de Privacidade
O Profissional
Publicações Informações
Doenças
Perguntas frequentes
CID10 Download
Ferramentas
Ciclo Menstrual
Gestação
Gravidez Programada
Cálculo de IMC (peso)
Multimídia
Galeria de Imagens
Galeria de Vídeos
Contato


 
  Desenvolvido por SS Digital
Resolução mínima recomendada: 1024x768 pixels
O conteúdo deste Portal é para informações, somente seu médico é quem pode prescrever ou decidir condutas médicas.